Os efeitos de comer fast food depois do treino

03 Outubro, 2020
Quão prejudicial é comer um hambúrguer quando chegamos em casa depois do treino? Explicaremos quais são os efeitos do consumo de fast food após o treinamento.

Você gosta de comer um fast food para se recompensar depois do treino? O fast food não é saudável e isso não é novidade para ninguém. Esse tipo de comida contém substâncias que interferem no funcionamento dos sistemas fisiológicos do organismo, podendo levar a doenças complexas e metabólicas a médio e longo prazo.

Além disso, o consumo desse tipo de alimento após a prática esportiva pode influenciar a capacidade de recuperação do atleta.

A alimentação ineficiente é capaz de aumentar o risco de lesões no treinamento ou nas competições subsequentes, além de dificultar as adaptações musculares responsáveis ​​pelo aumento do desempenho esportivo.

Fast food é pobre em nutrientes

O fast food é caracterizado por ser rico em energia, mas pobre em nutrientes. Quase não contém proteínas de qualidade, e esses nutrientes são de vital importância para garantir a recuperação do atleta.

De acordo com pesquisas publicadas no European Journal of Applied Physiology, após um esforço aeróbio ou anaeróbio, é essencial garantir a ingestão de proteínas para melhorar a capacidade de recuperação e as adaptações do tecido muscular.

No entanto, os alimentos que compõem o fast food geralmente não possuem as doses de proteína necessárias para completar a ingestão diária e melhorar a reparação do músculo danificado.

Os especialistas recomendam a ingestão de até dois gramas desse nutriente por quilo de peso muscular do atleta. É uma pizza industrial atingir um teor de proteína de mais de 10 gramas por porção.

Mulher cansada

As gorduras trans no fast food, outro problema

Outro fator que afeta negativamente a qualidade do fast food é o seu teor de gordura transEsses lipídios possuem atividade inflamatória, portanto são totalmente contraindicados após esforços físicos intensos, nos quais a prioridade é modular a inflamação.

Um estudo publicado na revista Progress in Lipid Research corrobora a capacidade desses ácidos graxos de estimular cascatas inflamatórias no corpo. Essa situação condiciona negativamente a capacidade de recuperação do tecido muscular e aumenta o risco de lesões subsequentes.

Por esse motivo, é essencial restringir a ingestão de fast food após exercícios intensos. Na verdade, este é um momento em que o corpo exige nutrientes de qualidade.

Após o exercício, os antioxidantes são melhores

Terminado o exercício intenso, o corpo necessita de um suprimento de fitonutrientes antioxidantes que modulam a oxidação e reduzem a produção de radicais livres. O consumo de fast food após o treino não satisfaz as necessidades desses nutrientes, e esse é outro motivo pelo qual seu consumo deve ser evitado nessas situações.

Em vez disso, é aconselhável comer vegetais e frutas, que contêm fitoquímicos capazes de reduzir o dano celular e melhorar a capacidade de recuperação.

Ao mesmo tempo, também podem aparecer alimentos ricos em carboidratos, mas estes devem ser de baixo índice glicêmico e de alta qualidade – os tubérculos seriam uma opção ideal.

Por fim, é necessário fornecer proteínas de alto valor biológico de carnes, peixes ou ovos. O fast food, porém, caracteriza-se por ser feito com farinhas excessivamente refinadas, derivados de carnes processadas de baixa qualidade e molhos que aumentam o valor energético sem conter nutrientes de alto valor para o corpo.

Copo de Coca Cola

Evite o fast food depois do treino

Resumindo, é melhor evitar o fast food em qualquer situação. Esse conselho se torna ainda mais relevante quando falamos em consumir esse tipo de alimento após o treinamento.

Conforme explicado anteriormente, a ingestão de produtos à base de farinhas refinadas e com alto teor de gorduras trans pode afetar negativamente a capacidade de recuperação do atleta, aumentando assim o risco de lesões nas sessões subsequentes.

Para garantir uma boa recuperação, é necessário administrar nutrientes de qualidade.

A alimentação pós-treino deve ser caracterizada por conter proteínas de alto valor biológico nas quantidades necessárias, carboidratos complexos que permitam preencher os estoques de glicogênio e fitonutrientes. Caso contrário, a saúde é influenciada negativamente.

Por fim, lembre-se de que também é importante evitar refrigerantes ricos em açúcares, carboidratos de baixa qualidade e aditivos após o treino. É necessário estabelecer uma diretriz de reidratação, mas esta deve se basear principalmente na ingestão de água mineral.

  • Rindom E., Nielsen MH., Keeci K., Jensen ME., et al., Effect of protein quality on recovery after intense resistance training. Eur J Appl Physiol, 2016. 116: 2225-2236.
  • Valenzuela CA., Baker EJ., Miles EA., Calder PC., Eighteen carbon trans fatty acids and inflammation in the context of atherosclerosis. Prog Lipid Res, 2019.