Antinutrientes: o que são?

13 Novembro, 2020
As fibras podem modular o perfil lipídico e controlar os níveis de glicose no sangue. Porém, em grandes quantidades, também podem interferir na absorção do cálcio e do ferro.

Os antinutrientes são substâncias capazes de bloquear parcialmente a absorção de certas vitaminas e minerais. É preciso considerar a sua existência, pois isso é determinante para o tratamento de certas patologias, como, por exemplo, a anemia.

Ainda assim, essa característica não os torna prejudiciais à saúde, longe disso. São considerados antinutrientes as fibras e outros compostos antioxidantes, tais como os taninos ou o ácido fítico. Eles são essenciais para a saúde, mas o segredo é saber como combiná-los corretamente.

Em grandes quantidades, as fibras são um antinutriente

As fibras têm a capacidade de bloquear parcialmente a absorção de certas substâncias. Entre elas está, por exemplo, o colesterol. Dessa forma, grandes quantidades de fibra alimentar podem modular o perfil lipídico do indivíduo, conforme afirma um artigo publicado na revista Postepy Higieny i Medycyny Doswiadczalnej.

Outra das capacidades das fibras é a de reduzir a velocidade de absorção dos açúcares. Isso modula os níveis de glicose no sangue e reduz o impacto pancreático desses nutrientes.

Por esse motivo, a ingestão dessa substância é recomendada para prevenir o diabetes tipo 2, mesmo nos casos em que a doença já se desenvolveu.

No entanto, nem tudo que reluz é ouro. Grandes quantidades de fibra alimentar podem interagir com o cálcio e o ferro da dieta e reduzir a sua biodisponibilidade. No entanto, é necessário atingir uma dose bastante alta desse antinutriente para fazer com que a interação cause uma perda significativa de minerais.

Os antinutrientes

Outros exemplos de antinutrientes: os taninos

Os taninos são substâncias presentes nas uvas que possuem um poderoso potencial antioxidante. Por isso, a sua ingestão é recomendada para a prevenção de doenças a médio e longo prazo, de acordo com um estudo publicado em 2017 pela Current Alzheimer Research.

Porém, essas substâncias podem interagir com a absorção de minerais como o ferro e o cálcio. Por essa razão, uma grande ingestão de alimentos ricos em taninos deve ser acompanhada por doses adequadas de vitamina C e D.

Esses micronutrientes são capazes de aumentar a biodisponibilidade dos minerais, melhorando assim a sua absorção. Dessa forma, o impacto dos antinutrientes é consideravelmente reduzido.

No entanto, o fato de os taninos serem capazes de reduzir a absorção de minerais não significa que eles devam ser excluídos da dieta, muito pelo contrário. Eles são antioxidantes benéficos e necessários e a sua ingestão regular está ligada a um estado de saúde adequado.

Em última análise, é necessário ter em mente que a uva não deve ser misturada com laticínios ou com alimentos ricos em ferro. Essa combinação reduziria a quantidade de minerais absorvíveis pelo corpo, o que resultaria no seu desperdício.

Uma alimentação variada como base da saúde

Não é necessário se preocupar excessivamente com o efeito dos antinutrientes, a menos que haja uma patologia de base como a anemia, por exemplo. Caso contrário, o ideal é manter uma alimentação variada e equilibrada que forneça todos os nutrientes necessários para o corpo.

Os antinutrientes

Dessa forma, as doenças poderão ser prevenidas. Além disso, o corpo será ajudado a desempenhar as suas funções fisiológicas corretamente.

Os antinutrientes, substâncias essenciais

Os antinutrientes são um grupo de substâncias essenciais para o organismo, tendo a capacidade de interagir com determinados minerais. O seu consumo regular está ligado a uma boa saúde.

Apesar disso, é preciso tomar cuidados especiais caso haja alguma patologia relacionada à deficiência de nutrientes. Diante desse tipo de situação, a ingestão elevada de fibras ou de taninos pode reduzir a biodisponibilidade de substâncias fornecidas através da dieta.

Felizmente, existe uma maneira fácil de evitar esse tipo de situação. As vitaminas C e D são capazes de estimular a absorção do cálcio e do ferro. Dessa forma, o risco é reduzido.

Essa estratégia permite que tenhamos uma menor preocupação com a ação dos antinutrientes e que possamos nos concentrar em manter uma dieta tão variada quanto possível.

Lembre-se de que também é fundamental que ela seja balanceada do ponto de vista calórico. Dessa forma, poderemos garantir um peso adequado e um bom estado de saúde.

  • Mackowiak K., Torlinska Walkowiak N., Torlinska B., Dietary fibre as an important constituent of the diet. Postepy Hig Med Dosw, 2016. 70: 104-9.
  • Braidy N., Jugder BE., Poljak A., Jayasena T., Mohammad N., et al., Molecular targets of tannic acid in alzheimer’s disease. Curr Alzheimer Res, 2017. 14 (8): 861-869.