Uma alimentação sem glúten aumenta o risco de diabetes?

A alimentação sem glúten é positiva ou negativa para o bem-estar do seu corpo? Vamos te contar neste artigo.
Uma alimentação sem glúten aumenta o risco de diabetes?

Última atualização: 16 Março, 2021

Nos últimos anos, dietas que restringem o glúten e a lactose se tornaram populares. Seus proponentes postulam que esses nutrientes são a causa de processos inflamatórios e reações adversas. Dessa forma, eles afirmam que o mais saudável é optar por uma alimentação sem glúten e também remover a lactose da dieta. No entanto, essas medidas podem deixar doentes até mesmo pessoas saudáveis.

Atualmente, não existem estudos conclusivos vinculando a restrição desses nutrientes à diminuição ou prevenção de doenças. Os mecanismos fisiológicos pelos quais essas medidas supostamente poderiam reduzir os processos inflamatórios também não são claros.

A alimentação sem glúten gera intolerâncias

O corpo possui enzimas para digerir nutrientes. No entanto, ele também tende a economizar energia. Isto é, se o corpo não notar frequentemente a presença de um determinado nutriente, ele deixa de produzir a enzima que o decompõe para economizar energia.

Assim, se a ingestão de glúten e lactose for suspensa por um longo período de tempo, o resultado será uma incapacidade de metabolizar o nutriente. Assim, pessoas saudáveis ​​tornaram-se intolerantes. Este é um dos grandes riscos de restrições, um risco que muitas pessoas desconhecem. A justificativa para a retirada desses nutrientes da dieta é que teoricamente o consumo que geraria uma intolerância.

A alimentação sem glúten é boa para o corpo?

Alimentação sem glúten pode aumentar o risco de diabetes tipo 2

Os alimentos “sem glúten” compensam a falta dessa proteína com ácidos graxos e açúcares. Portanto, essa variação na composição nutricional pode ter consequências para o funcionamento do organismo.

A mais imediata de todas é o aumento da ingestão de açúcares simples e a ingestão reduzida de fibras. Isso está diretamente relacionado a doenças graves, como o diabetes tipo 2.

Além disso, isso está relacionado ao desenvolvimento da obesidade. Estudos concluem que a ingestão de alimentos com glúten reduz o risco de diabetes em 13% em comparação com pessoas que consomem a variedade “sem glúten” (bibliografia, 1).

As pessoas param de consumir glúten procurando também um efeito de perda de peso. É verdade que abandonar o glúten significa reduzir o consumo de alimentos processados. Isso pode ter um efeito benéfico na composição corporal a curto prazo. No entanto, o aumento do consumo de alimentos substitutos sem glúten piora significativamente a qualidade da dieta.

A verdade é que hoje não há evidências científicas para corroborar os benefícios de uma alimentação sem glúten na saúde humana. Estudos que ligam o consumo de glúten ao diabetes foram conduzidos em modelos animais e são inconclusivos (bibliografia, 2).

Alimentação sem glúten: restrição ou moderação

Embora existam alimentos que não sejam recomendados para consumo regular, há consequências negativas para a saúde se estes forem completamente abandonados. Primeiro, as restrições geram estresse psicológico que pode levar à ansiedade. Por outro lado, a restrição pode levar a um déficit de alguns nutrientes que podem até ser essenciais.

Portanto, uma ideia bastante eficaz é realizar uma dieta flexível. É positivo reduzir o consumo de processados ​​e ingeri-los após a atividade física, se necessário. Dessa forma, aproveitaremos o pico de açúcar para recuperar a energia após praticar esportes.

A alimentação sem glúten nem sempre é tão benéfica quanto se acredita.

As únicas coisas que merecem ser eliminadas de uma dieta variada são os compostos tóxicos, como o álcool. Eles não produzem nenhum benefício para o corpo e também levam a prejuízos no seu funcionamento, tanto a curto quanto a longo prazo.

Além disso, há evidências de que o consumo de toxinas aumenta o risco de doenças complexas. Toxinas são as grandes inimigas da prática esportiva, pois reduzem consideravelmente o desempenho daqueles que as consomem.

Conclusão

Ter uma alimentação sem glúten pode aumentar o risco de diabetes. Além disso, pode gerar intolerância ao nutriente, devido ao sistema de economia do corpo.

Portanto, é melhor seguir uma dieta variada, na qual todos os nutrientes estejam presentes. A variedade de alimentos reduz o risco de deficits nutricionais e melhora a qualidade da alimentação.

Pode interessar a você...
Dieta sem glúten saborosa: é possível?
Fit People
Leia em Fit People
Dieta sem glúten saborosa: é possível?

O objetivo de criar uma dieta sem glúten mais saborosa requer um pouco de esforço. Vamos conhecer mais sobre essa possibilidade a seguir.



  • Zong G., Lebwohl B., Hu FB., Sampson L., Dougherty LW., Willet WC., Chan AT., Sun Q., Gluten intake and risk of type 2 diabetes in three large prospective cohort studies of US men and women. Diabetología, 2018. 61 (10): 2164-2173.
  • Haupt-Jorgensen M., Holm LJ., Josefsen K., Buschard K., Possible prevention of diabetes with a gluten-free diet. Nutrients, 2018. 10 (11).