Por que devemos trabalhar a propriocepção?

10 Maio, 2020
A propriocepção é o sentido que nos ajuda a manter o equilíbrio e nos fortalece contra lesões.
 

Não é muito comum ouvir o termo ‘propriocepção’. Entretanto, esse é um elemento muito importante em nosso dia a dia, independentemente se formos atletas ou não. Se estivermos nos recuperando de uma lesão musculoesquelética, provavelmente o professor indicará exercícios específicos para trabalhar a propriocepção.

O que é a propriocepção?

A propriocepção é o sentido que nos permite saber a cada momento em que posição estão as diferentes partes do nosso corpo. As seguintes estruturas fornecem informações proprioceptivas para o cérebro:

  • Proprioceptores capsuloligamentares: localizados nas cápsulas articulares e nos tendões, são responsáveis por dizer ao cérebro em que posição se encontram as articulações.
  • Proprioceptores vestibulares: estão localizados no ouvido interno. Eles nos permitem conhecer a cada momento a postura de nossa cabeça.
  • Fusos neuromusculares: localizados no interior do músculo, nos permitem saber quando um músculo se estira de maneira leve. Eles também são importantes porque nos protegem contra estiramentos repentinos e abruptos e fazem com que as fibras musculares ao redor se contraiam para se protegerem.
  • Órgãos tendinosos de Golgi: elementos localizados no tendão e na junção miotendínea que fazem que o músculo relaxe quando ocorre uma tensão excessiva no tendão.

Assim, o sentido da propriocepção nos ajuda a manter o equilíbrio em qualquer circunstância e também trabalha para evitar lesões quando praticamos esportes.

 
A propriocepção

Por que trablhar a propriocepção?

A propriocepção é um sentido que pode ser treinado, desenvolvido e aprimorado. Os benefícios de trabalhar esse sentido estão logicamente vinculados à sua função. Quanto mais desenvolvido, melhor será nosso equilíbrio e maior nossa velocidade de reação a gestos potencialmente lesivos.

Por exemplo, podemos estar fazendo trilhas nas montanhas e pisar em uma pedra sem nos dar conta. Uma pessoa sedentária torcerá o tornozelo e terá grande chance de sofrer uma entorse ou uma distensão. Porém, uma pessoa que é atleta ou que realiza exercícios básicos de propriocepção simplesmente tropeçará e apoiará de novo o pé no solo.

Isso se deve ao fato de que a capacidade das estruturas mencionadas anteriormente está reduzida na pessoa sedentária. Portanto, a velocidade em que seu corpo transmite a informação não é suficientemente rápida para corrigir a posição do tornozelo antes que os ligamentos sejam afetados pelo movimento anormal.

É como se não exercitássemos os músculos. Todos entendemos que uma pessoa mais forte será capaz de levantar objetos mais pesados. A mesma coisa acontece nessa situação: uma pessoa que treina tem maior velocidade de reação do que aquela que não treina.

 

Dada a sua importância para prevenir lesões, trabalhar a propriocepção será vital para atletas. Assim como, se já tivermos sofrido uma lesão, trabalhar esse sentido também será essencial, já que algumas estruturas relacionadas podem ter sido afetadas.

Exemplos práticos para trabalhar a propriocepção

O exercício clássico para trabalhar esse sentido é usando uma bola bosu. Esse objeto é uma meia esfera de borracha com a parte plana dura. Se você já foi para a academia ou a um fisioterapeuta, sem dúvida você o reconhecerá.

A propriocepção

O trabalho consiste em tentar se manter de pé com os olhos abertos, depois fechados, depois apoiando uma perna só, com os olhos abertos e, finalmente, uma perna só, com os olhos fechados. Trata-se de uma progressão clássica para melhorar a propriocepção dos membros inferiores.

Além disso, realizar qualquer exercício sobre a bola ajudará a trabalhar esse sentido. Algumas opções são fazer flexões para a propriocepção dos membros inferiores ou agachamentos para as pernas ou até mesmo pedir a outra pessoa que nos jogue uma bola… existem muitas variações.

Entretanto, não é necessário ter esse elemento para provocar uma instabilidade que nos ajude a melhorar. Podemos usar apenas uma almofada, colocar um travesseiro sobre uma pequena bola ou simplesmente realizar exercícios com um pé só apoiado no chão.

 

Finalmente, também podemos pedir a outra pessoa que nos dê toques leves para nos desestabilizar enquanto realizamos esses exercícios, seja com os olhos abertos ou com os olhos fechados para maior dificuldade.

  • Guzmán-Muñoz Eduardo, Valdés-Badilla Pablo, Concha-Cisternas Yeny, Méndez-Rebolledo Guillermo, Sazo-Rodríguez Sergio. Influencia del estado nutricional sobre el equilibrio postural en niños: un estudio piloto. Rev Esp Nutr Hum Diet  [Internet]. 2017  Mar [citado  2019  Nov  18] ;  21( 1 ): 49-54.
  • Silva P.C.R., Oliveira V.H. de, Neto E.C.A., Azevedo K.P.M., Rebouças G.M., Knackfuss M.I.. Impacto do agachamento em superfície estável e instável sobre o equilíbrio estático e dinâmico de idosos. Rev Andal Med Deporte  [Internet]. 2017  [citado  2019  Nov  18] ;  10( 4 ): 176-180.
  • Guimaraes-Ribeiro D., Hernández-Suárez M., Rodríguez-Ruiz D., García-Manso J.M. Efecto del entrenamiento sistemático de gimnasia rítmica sobre el control postural de niñas adolescentes. Rev. Andal. Med. Deporte  [Internet]. 2015  Jun [citado  2019  Nov  18] ;  8( 2 ): 54-60.