Treinar até a falha muscular: isso funciona?

Ao falar sobre o treinamento de força, encontramos diferentes opiniões indicando que um tipo de treino é melhor do que os outros. Isso também acontece em relação a treinar até a falha muscular, e hoje vamos descobrir mais sobre o assunto.
Treinar até a falha muscular: isso funciona?

Última atualização: 24 novembro, 2019

Quando falamos de treinar até a falha muscular, encontramos pessoas a favor ​​e, sem dúvida, também as que são contra. Por um lado, um grande número de pessoas argumenta que essa é uma ótima ferramenta para melhorar a força muscular, enquanto outras pessoas consideram isso desnecessário e até mesmo prejudicial.

No artigo de hoje, vamos nos aprofundar e descobrir tudo sobre treinar até a falha muscular. Sem dúvida, também vamos expor o que a ciência diz sobre o assunto.

Em que consiste treinar até a falha muscular?

Esse tipo de treino ocorre quando as fibras que compõem o tecido muscular não são mais capazes de gerar a força necessária para superar a resistência, ou seja, quando não conseguimos mais fazer nenhuma repetição durante um treino com cargas.

A ideia de treinar até a falha muscular se baseia principalmente na redução do número de séries em cada exercício até chegar à falha. A princípio, estaríamos falando de uma menor quantidade de repetições, mas de maior qualidade.

Porém, como já mencionamos anteriormente, existem muitas pessoas que são contra esse método porque, para atingir a falha muscular, a carga de treinamento deve ser muito alta. Isso pode levar a certos tipos de lesões musculares.

Quem pode fazer esse tipo de treino?

Nenhuma pessoa tem a capacidade necessária para treinar até a falha muscular sem sofrer nenhum problema posterior. É importante destacar que há dois perfis claros de atletas que podem praticar esse tipo de exercício físico:

Métodos de treinamento para treinar até a falha muscular
  • Por outro lado, os atletas que desejam melhorar o seu desempenho em esportes que impliquem a resistência.

Portanto, esse método não é recomendado para iniciantes, pois é necessário dominar a técnica do exercício em questão perfeitamente, bem como fazer um bom aquecimento para evitar qualquer tipo de problema.

Ainda assim, mesmo que o nível do praticante seja alto, ele sempre deve contar com uma ajuda externa. A execução de um treino até a falha sempre exigirá o trabalho com altas cargas externas e a ajuda de uma outra pessoa para limitar os riscos.

Como podemos alcançar a falha muscular?

Para treinar até a falha muscular, há duas maneiras de alcançar os objetivos desejados:

  • Treinar com cargas baixas, o que faremos quando quisermos alcançar um número maior de repetições ou ao treinar com o nosso próprio peso. Aqui a falha muscular ocorre quando não conseguimos mais mobilizar a carga.
  • Por outro lado, podemos trabalhar com cargas submáximas, trabalhando em torno de 85% do nosso 1RM (repetição máxima) e com no máximo 10 repetições. Quando usamos essas cargas submáximas, a falha vai ocorrer por causa da fadiga acumulada, antes de atingirmos a última repetição.

Métodos de treinamento para treinar até a falha muscular

Se quisermos começar a treinar até a falha muscular, isso pode ser feito de várias maneiras:

  • Fazendo o treino inteiro até a falha muscular, diminuindo o número de séries e, ao mesmo tempo, estendendo o descanso entre as séries.
  • Incluir a falha antes ou depois da fadiga, gerando a fadiga muscular antes ou depois do exercício principal que formos executar.
  • Aplicar a falha ao final do treino, aproveitando a fadiga previamente alcançada em um determinado grupo muscular e executando mais duas séries até a falha muscular, com menos carga.
  • Usar o contraste de cargas. Para isso, vamos fazer 10 repetições a 75% do nosso 1RM e, em seguida, sem descanso, vamos remover a metade do peso e então continuar até a falha muscular.

Precauções que devemos levar em consideração

Se quisermos incluir esse método na nossa rotina de treinamento, isso deve ser feito com muito cuidado e com a assistência de um profissional.

Se abusarmos da ideia de treinar até a falha muscular, corremos o risco de sofrer com o overtraininge, da mesma forma, de sofrer alguma lesão muscular por causa da carga de treinamento aplicada.

Para evitar esses riscos, o cumprimento do período de descanso entre as sessões se torna decisivo.

treinar até a falha muscular
 

O que a ciência diz sobre o assunto?

No campo científico, há a mesma controvérsia em relação a treinar até a falha muscular. Por um lado, autores como Foland defendem nos seus estudos que não é necessário atingir a falha muscular para alcançar certos benefícios em termos de força muscular.

No entanto, do lado oposto, encontramos o trabalho de Izquierdo e seus colaboradores, que indicam que treinar até a falha muscular pode ser um estímulo melhor quando se trata de melhorar a resistência muscular em um determinado músculo.

No entanto, eles também apontam que, se o nosso objetivo for trabalhar a força muscular, treinar até a falha não seria o método mais adequado para isso.

Então, conforme podemos observar, treinar até a falha muscular será eficaz dependendo do nosso objetivo de treinamento. Além disso, devemos ter em mente que nem todas as pessoas estão aptas para esse tipo de treino, já que é necessário ter alguma experiência para aproveitar o treino ao máximo.

This might interest you...
Quais as melhores estratégias de treino para hipertrofia muscular?
Fit People
Leia em Fit People
Quais as melhores estratégias de treino para hipertrofia muscular?

Ganhar músculos é o principal objetivo da maioria das pessoas, masnem todo mundo conhece as melhores estratégias de treino para hipertrofia muscula...



  • Folland JP, Irish CS, Roberts JC, Tarr JE, and Jones DA. (2002): Fatigue is not a necessary stimulus for strength gains during resistance training. Br J Sports Med. 36: 370–373.
  • Izquierdo, M., Ibanez, J., Gonzalez-Badillo, J. J., Hakkinen, K., Ratamess, N. A., Kraemer, W. J., French, D. N., Eslava, J.,Altadill, A., Asiain, X., & Gorostiaga, E. M. (2006): Differential effects of strength training leading to failure versus not to failure on hormonal responses, strength, and muscle power gains. Journal of Applied Physiology (Bethesda, Md.: 1985), 100(5), 1647-1656.