4 dicas para ser um bom treinador

Ser um bom treinador não é fácil. É muito importante estar sempre atualizado, ciente das últimas tendências em termos de atividade física, alimentação e outros aspectos importantes.
4 dicas para ser um bom treinador

Última atualização: 22 Abril, 2021

Fazer com que cada sujeito dê o máximo em suas sessões de trabalho físico não é fácil. Por isso, vamos lhe oferecer uma série de dicas para ser um bom coach. Dessa forma, você conquistará maior empatia com os clientes e gerará bons resultados a médio prazo.

A primeira coisa a ter em mente é que muitas pessoas procuram um coach com o objetivo de alcançar grandes objetivos em curtos períodos de tempo. Essa associação está errada, uma vez que conquistas recompensadoras costumam ser caras e exigem um certo nível de esforço.

4 dicas para ser um bom treinador

Preste atenção às dicas a seguir para ser um bom treinador. Com eles, você vai gerar uma maior aderência dos clientes às diretrizes estabelecidas.

1. Promova a diversidade

O tédio é uma das razões mais comuns pelas quais uma pessoa abandona a rotina de treinamento. Nesse sentido, é importante oferecer variedade nas rotinas. Independentemente dos objetivos propostos, é possível propor vários métodos de trabalho para os atingir.

Por exemplo, exercícios intervalados de alta intensidade demonstraram ser muito eficazes na promoção da perda de peso. Isso é evidenciado por um estudo publicado na revista Obesity Reviews . Porém, não é a única forma de atingir um corpo perfeito, podendo ser complementada e alternada com trabalhos de força com pesos. Na verdade, essa combinação é altamente recomendada.

Dentro das sessões de força, também é importante fazer alterações não só nos exercícios, mas também nas séries executadas e no número de repetições. Além de superar o tédio, evita que o corpo se acostume e se adapte.

2. Avalie o cliente antes de começar

O aconselhamento é essencial para prevenir lesões na sala de fitness.

Realizar uma avaliação inicial é a chave para evitar ineficiências posteriores. Além disso, esse ponto pode ajudar a evitar lesões, uma vez que podem ser detectados problemas estruturais ou funcionais que limitam a realização de determinados exercícios.

Existem alguns movimentos que são especialmente prejudiciais se não forem executados corretamente. Um deles é o levantamento terra, segundo estudo publicado na revista BMJ.

É importante desfrutar de boa mobilidade do quadril, flexibilidade adequada na cadeia posterior e níveis mínimos de estabilização da região abdominal para realizar este exercício com garantias. Caso contrário, a coluna lombar estará em risco.

3. Evite a intrusão

Para atingir a maioria dos objetivos, o exercício por si só não é suficiente. É importante complementar com orientações nutricionais ou bons hábitos de vida.

Para ser um bom treinador, é importante saber drift. Delegar responsabilidades a outro profissional treinado evita que recomendações inapropriadas ou inadequadas sejam dadas. Evitar a intromissão profissional também gera maior respeito de outros especialistas, que veem como seu trabalho é valorizado e são geradas sinergias que podem beneficiar ambos.

4. Seja paciente

Como mencionamos, os resultados não são alcançados durante a noite. Ser capaz de motivar o cliente será a chave para evitar que ele perca a adesão ao trabalho ou fique frustrado. É importante fazê-lo entender que nem os ganhos de força nem as mudanças na composição corporal são lineares.

Coach ajudando no planejamento da rotina.

As conquistas associadas ao exercício físico envolvem uma corrida de longa distância. Não se trata de dar tudo de si por algumas semanas e depois desistir; o importante é se manter constante ao longo dos anos e estabelecer algumas rotinas e bons hábitos de vida. Só então grandes resultados serão alcançados, embora não sem esforço.

Coloque em prática as dicas para ser um bom treinador

Você já sabe quais são os segredos para ser um bom treinador, agora só precisa colocá-los em ação. Claro, lembre-se de que o treinamento também é essencial. Um profissional de saúde ou trabalho físico deve estar em constante reciclagem, atento às últimas publicações científicas.

Se o treinador ficar obsoleto, imediatamente começará a perder clientes, já que outros profissionais que supõem competição poderão apertar melhor os atletas e obter resultados mais satisfatórios.

A boa notícia é que hoje é muito fácil manter-se atualizado. Novas informações e artigos científicos estão a apenas um clique de distância. O segredo está no desejo de melhorar.



  • Wewege, M., van den Berg, R., Ward, R. E., & Keech, A. (2017). The effects of high-intensity interval training vs. moderate-intensity continuous training on body composition in overweight and obese adults: a systematic review and meta-analysis. Obesity reviews : an official journal of the International Association for the Study of Obesity, 18(6), 635–646. https://doi.org/10.1111/obr.12532
  • Bengtsson, V., Berglund, L., & Aasa, U. (2018). Narrative review of injuries in powerlifting with special reference to their association to the squat, bench press and deadlift. BMJ open sport & exercise medicine, 4(1), e000382. https://doi.org/10.1136/bmjsem-2018-000382