Como a gordura abdominal afeta a saúde do coração?

08 Outubro, 2020
Se você tem um alto índice de gordura abdominal, ficará interessado em saber como isso pode afetar a saúde do seu coração. Neste artigo, falaremos sobre esse problema com mais detalhes.

O excesso de peso, além de ser uma questão estética, também afeta a saúde do coração e do corpo em geral. Ter um percentual de gordura superior ao recomendado pode aumentar o risco de desenvolver doenças complexas no médio e longo prazo. Nesse sentido, você deve saber como a gordura abdominal afeta a saúde do coração.

Antes de começarmos, precisamos esclarecer que, embora enfatizemos a gordura abdominal, o que realmente conta é o tecido adiposo total.

No entanto, muitas pessoas acumulam adipócitos na área do tronco, por isso especialistas têm realizado uma série de estudos que relacionam o perímetro do abdômen com o risco de morte cardiovascular.

A gordura abdominal condiciona a função e a saúde do coração

De acordo com uma pesquisa publicada na Revista Espanhola de Cardiologiaa gordura abdominal está intimamente relacionada ao risco de hipertensão. Está claro que uma dieta inadequada pode levar ao excesso de peso, o que também está relacionado ao aumento da pressão arterial.

A ingestão regular de açúcares simples, gorduras trans, excesso de calorias e até sódio tem uma influência decisiva na saúde cardiovascular e na pressão arterial. Especialistas consideram este último parâmetro, quando ultrapassa determinados valores, um fator de risco para ataques cardíacos.

Quanto mais gordura você tem, pior o funcionamento dos seus órgãos

Uma alta porcentagem de gordura abdominal também corresponde a uma quantidade significativa e perigosa de tecido adiposo ao redor dos principais órgãos do corpo. Isso afeta negativamente sua função e impossibilita seu desempenho ideal.

A gordura abdominal condiciona a função e a saúde do coração

Inclusive, um estudo publicado na revista The Journals of Gerontology mostra que um aumento do tecido adiposo no abdômen aumenta significativamente a probabilidade de morte por problemas cardiovasculares.

O acúmulo de gordura no abdômen não afeta apenas o coração. Além dele, outros órgãos importantes, como o pâncreas e o fígado, também são afetados pelo aumento de peso.

Até os pulmões de pessoas obesas sofrem. Portanto, ter um peso adequado é muito mais importante do que muitos acreditam.

Você pode evitar a obesidade com uma dieta balanceada

Felizmente, existe uma maneira muito eficaz de prevenir a obesidade, o excesso de peso e o desenvolvimento de gordura abdominal. Ter uma alimentação adequada, variada e balanceada pode garantir uma composição corporal adequada, desde que você se exercite regularmente.

Por exemplo, o consumo frequente de vegetais está associado a uma menor circunferência abdominal e a um menor risco de morte por acidentes cardiovasculares. Por outro lado, ambos os açúcares simples, como o álcool e as gorduras trans, têm o efeito oposto.

Para reduzir o percentual de gordura e melhorar a saúde, especialistas recomendam priorizar o consumo de alimentos in natura em detrimento dos ultraprocessados. Dessa forma, você garante a ingestão de fibras e micronutrientes essenciais para o funcionamento dos órgãos e as reações fisiológicas.

Além disso, fazer exercícios de força regularmente ajuda a aumentar o metabolismo e o tônus ​​muscular e, como resultado, a reduzir a gordura abdominal. A esse hábito, você pode adicionar estratégias dietéticas eficazes, como o jejum intermitente ou a redução da ingestão de carboidratos.

A gordura abdominal determina a saúde do coração

A gordura abdominal determina a saúde do coração

Como você pode ver, a gordura abdominal é muito mais do que apenas uma questão estética. O fato de acumular tecido adiposo está associado a um maior risco de morte, principalmente devido a eventos cardiovasculares.

Por isso, é imprescindível que você cuide da sua alimentação e pratique exercícios físicos regularmente. Estes são os dois mecanismos mais eficazes para garantir a correta composição corporal e prevenir o surgimento de doenças no médio e longo prazo.

Tenha em mente que a gordura abdominal geralmente reflete o acúmulo de tecido adiposo ao redor dos órgãos internos do corpo. Essa situação condiciona seu funcionamento e as reações fisiológicas que ocorrem dentro deles.

Por fim, não se esqueça que é mais fácil manter um peso adequado do que perder peso. Por isso, é importante que você adote bons hábitos de vida desde os primeiros estágios da sua vida, para evitar situações que você pode ter dificuldade em reverter.

  • Sangrós FJ., Torrecilla J., Giráldez García C., Carrillo L., et al., Association of general and abdominal obesity with hypertension, dyslipidemia and prediabetes in the PREDAPS study. Rev Esp Cardiol, 2018. 71 (3): 170-177.
  • Chuang SY., Hsu YY., Chen RCY., Liu WL., Pan WH., Abdominal obesity and low skeletal muscle mass jointly predict total mortality and cardiovascular mortality in an elderly asian population. J Gerontol A Biol Sci Med Sci, 2016. 71 (8): 1049-55.