Crioterapia: em que consiste?

16 Junho, 2020
A crioterapia consiste em aplicar frio em uma determinada área para obter os benefícios dos seus efeitos fisiológicos. Saiba mais sobre esse tratamento abaixo.
 

Os elementos físicos estão muito presentes nas terapias para curar inúmeras patologias. Calor, ondas eletromagnéticas, impulsos elétricos… todos têm um lugar para tratar várias doenças. Neste artigo, veremos como o frio funciona, como é aplicado e em quais casos ele é benéfico, ou seja, analisaremos a crioterapia.

Essa técnica se baseia no uso dos efeitos fisiológicos que o frio causa no corpo. Em outras palavras, como o corpo reage a esse estímulo. Uma vez que sabemos quais efeitos a técnica causa, o próximo passo é simplesmente usá-la a nosso favor quando puder ser benéfica.

Efeitos fisiológicos da crioterapia

Primeiro, começaremos analisando os efeitos do frio no corpo:

Vasoconstrição

É o primeiro efeito que ocorre ao aplicar frio, e o primeiro passo para explicar seus efeitos curativos. Os vasos sanguíneos reduzem seu diâmetro, permitindo a passagem de menos sangue. Esse efeito explica a ação anti-inflamatória do frio.

A inflamação faz com que mais sangue do que o necessário vá reparar o tecido danificado. Se o frio reduz o sangue que chega, é exatamente o oposto da inflamação e, portanto, um efeito anti-inflamatório.

No entanto, também devemos ter em mente que o corpo tentará se proteger e, quando o frio for interrompido, haverá vasodilatação (o efeito oposto). Portanto, o mais eficaz é fazer várias aplicações de cerca de cinco minutos, descansando por um ou dois minutos entre uma aplicação e a próxima.

Efeitos fisiológicos da crioterapia
 

Desaceleração da área afetada

Menos sangue significa menos atividade celular e metabólica. Essas mudanças, por sua vez, implicam que os processos a nível celular funcionarão mais lentamente.

Isso também explica por que o frio, na maioria dos casos, afeta positivamente distúrbios como espasmos musculares, como declarado em um estudo publicado na Fisioterapia. Os receptores ficam menos ativos e freiam o ciclo vicioso que faz com que os espasmos se agravem e causem mais dor.

Analgesia

Ao desacelerar os sistemas e fornecer menos sangue, os receptores de dor também são afetados. O frio vai entorpecer a área na qual é aplicado, e o resultado será uma menor sensação de dor.

Métodos de aplicação

Como devemos aplicar o frio na área que nos interessa? Temos várias maneiras de fazer isso. Por um lado, existem sprays frios que são aplicados diretamente na área afetada e proporcionam alívio temporário dos sintomas.

Em segundo lugar, temos compressas frias. Esses produtos podem ser deixados na pele por mais tempo para prolongar os efeitos. Também é possível simplesmente usar gelo.

Uma alternativa é aplicar cubos de gelo, sempre embrulhados em uma toalha fina ou elemento similar, fazendo pequenos círculos na área afetada. Outra opção é a imersão a frio, como são realizadas em muitos spas, ou como os atletas fazem depois de uma sessão de treinamento.

Também devemos ter em mente que aplicações de frio nunca devem ser muito longas. Existem certos tipos de termoterapia que podem ser aplicados por longos períodos de tempo sem perigo mas, com o frio, você precisa ter mais cuidado.

 

Isso acontece porque essa diminuição no suprimento sanguíneo e o efeito que o frio exerce sobre a pele podem acabar danificando o tecido.

Métodos de aplicação

Quando utilizar a crioterapia

Levando tudo isso em conta, em que situações o frio deve ser aplicado? O primeiro e mais óbvio é logo após uma lesão. Se sofrermos uma torção, entorse ou lesão semelhante ao praticar esportes, é aconselhável aplicar uma compressa fria imediatamente. Isso limitará o edema resultante da lesão e ajudará a aliviar a dor.

Em segundo lugar, usaremos a crioterapia para tratar processos inflamatórios agudos. É preciso lembrar que o frio será usado apenas nos estágios iniciais da inflamação, pois após vários dias o calor é recomendado no lugar do frio para promover a absorção do edema.

Por outro lado, como já vimos, será muito útil tratar espasmos musculares, assim como contraturas recentes. Finalmente, o frio também é usado para outros processos, como pequenas queimaduras ou certas condições da pele.

Não tenha medo da crioterapia!

Para finalizar, é preciso dizer que o frio avisa antes de causar danos. Ou seja, se você sofrer uma lesão e quiser usar o frio para tratá-la, faça isso.

 

Lembre-se de que você não deve utilizar o tratamento por mais do que cinco minutos e, se quiser aplicar gelo, mova-o em pequenos círculos. Com tudo isso explicado, podemos concluir que a crioterapia é muito eficaz e pode ser de grande ajuda.

  • A. I. Macías, A. M. Águila. Efectos de la crioterapia en la espasticidad. Fisioterapia. Volume 25, Issue 1, 2003, pages 15-22
  • G. Banfi, G. Lombardi, A. Colombini et al. Whole-Body Cryotherapy in Athletes. Sports Medicine. Volume 40, 2010, pages 509–517
  • L. Chesterton, N. Foster, L. Ross. Skin temperature response to cryotherapy. Archives of Physical Medicine and Rehabilitation. Volume 83, Issue 4, 2002, pages 543-549