Transtorno da compulsão alimentar: o que é?

19 Outubro, 2020
A compulsão alimentar periódica pode ocultar diversas formas de transtornos alimentares. Saiba quais sintomas observar para identificá-los.

O transtorno da compulsão alimentar está incluído entre os transtornos do comportamento alimentar. É uma patologia de natureza psicológica causada por um mau funcionamento dos mecanismos que regulam o apetite e a saciedade. Como esse problema pode afetar a vida cotidiana de quem sofre dele?

Esse problema leva o indivíduo a consumir alimentos sem um limite racional ou lógico, com episódios de compulsão alimentar que colocam a sua saúde em risco.

Dentro do espectro da doença, é possível encontrar pessoas que geralmente comem qualquer tipo de produto de forma exagerada ou aquelas que têm uma predileção especial por doces. Seja como for, a composição corporal é significativamente alterada.

Um transtorno alimentar

De acordo com uma pesquisa publicada na revista Child and Adolescent Psychiatric Clinics of North America, a prevalência dos transtornos alimentares aumentou nos últimos anos. Entre eles está o transtorno da compulsão alimentar, embora exista um forte componente hormonal e metabólico por trás dele.

A saciedade é um mecanismo mediado por receptores de distensão estomacal e por uma série de hormônios que respondem às mudanças na glicemia sanguínea.

Dentre eles, destaca-se o neuropeptídeo Y. Quando a secreção dessa substância é estimulada — o que ocorre no hipotálamo—, o apetite aumenta, conforme afirma um estudo publicado na Bioessays.

Geralmente, a síntese desse peptídeo é regulada de uma forma muito precisa. No entanto, podem ocorrer ineficiências no mecanismo regulatório, levando ao aparecimento de transtornos como a compulsão alimentar.

Sintomas do transtorno da compulsão alimentar

Para identificar esta patologia, é necessário determinar se há a sintomatologia associada. Geralmente, as pessoas com a doença costumam ter uma preocupação excessiva com a comida, bem como uma tendência maior à depressão e à solidão.

Transtorno da compulsão alimentar

Ao mesmo tempo, geralmente são indivíduos com sobrepeso ou obesidade. Isso porque comer em excesso determina a composição corporal e aumenta a tendência de acumular gordura.

Além disso, os pacientes com a doença apresentam problemas digestivos regularmente, tais como diarreia, dores abdominais, gases, entre outros. Para identificar e diagnosticar o transtorno da compulsão alimentar, pode ser útil considerar os seguintes critérios:

  • Há episódios de compulsão duas ou mais vezes por semana durante pelo menos seis meses.
  • Durante o episódio de compulsão, a pessoa perde o controle sobre a comida.
  • Alimentos são ingeridos mesmo quando não há apetite.
  • O consumo não é interrompido até que haja uma sensação de desconforto estomacal.
  • Os episódios geralmente ocorrem em momentos de solidão.
  • Existe um sentimento de culpa posterior.

Possíveis soluções

O transtorno da compulsão alimentar tem melhor prognóstico se diagnosticado em seus estágios iniciais. Além disso, é necessária uma equipe multidisciplinar para tratar o problema. Ela deve ser composta por nutricionista, psicólogo e psiquiatra, pois às vezes é necessário um tratamento farmacológico.

O papel do nutricionista é criar um plano alimentar que estimule a sensação de saciedade e atenda às necessidades de energia e nutrientes do indivíduo.

Existem diferentes estratégias para isso, como, por exemplo, o aumento do consumo de fibras e, embora pareça contraditório, o jejum intermitente. Esse protocolo causa mudanças benéficas a nível hormonal que podem ajudar a regular a glicemia e a sensação de saciedade.

Transtorno da compulsão alimentar

O transtorno da compulsão alimentar deve ser tratado precocemente

De acordo com o exposto, o transtorno da compulsão alimentar está incluído nas patologias associadas ao comportamento alimentar. Sua prevalência está aumentando entre a população mais jovem.

Frequentemente, há um desequilíbrio hormonal ou homeostático que motiva esse problema, embora também possa haver um componente comportamental determinante. Seja como for, é necessário compor uma equipe multiprofissional para o seu tratamento, bem como garantir o seu diagnóstico precoce.

Se alguém ao seu redor atende a algum dos critérios que mostramos, pode ser necessário procurar um especialista para avaliar se essa pessoa tem a doença.

Lembre-se de que a educação nutricional adequada desde as primeiras fases da vida reduz o risco de sofrer desse tipo de doença na adolescência ou na idade adulta de forma significativa.

Por fim, é importante propor uma alimentação adequada e saudável, com base no consumo de produtos frescos e com pouca ou nenhuma quantidade de doces ou ultraprocessados prejudiciais à saúde.

  • Saul JS., Rodgers RF., Adolescent eating disorder risk and the online world. Chil Adolesc Psychiatr Clin N Am, 2018. 27 (2): 221-228.
  • Nakamura K., Nakamura Y., Hunger and satiety signaling: modeling two hypothalamomedullary pathways for eneergy homeostasis. Bioessays, 2018.