4 consequências de fazer exercícios com dor muscular tardia

19 Novembro, 2020
Os únicos exercícios que devemos fazer quando estamos com dor muscular tardia são os de baixa intensidade para, dessa forma, favorecer a chegada de sangue à área lesionada. Conheça as possíveis consequências de nos excedermos ao fazermos exercícios nesse estado.

A dor muscular tardia é uma das patologias mais comuns para os atletas. Afeta principalmente as pessoas que estão começando a praticar um esporte e que ainda não possuem estruturas habituadas ao esforço requerido. No entanto, é muito importante não fazer exercícios com dor muscular tardia.

A seguir, veremos o que é a dor muscular tardia, bem como os principais motivos pelos quais não devemos nos exercitar até nos recuperarmos.

O que é a dor muscular tardia?

A dor muscular tardia é causada por microrrupturas fibrilares. Ou seja, trata-se do aparecimento de pequenas rupturas em um número variável de fibras de um determinado músculo.

Isso causa uma dor de início tardio, o que significa que não notaremos a dor muscular ao terminar a prática esportiva, mas sim no dia seguinte. Por isso a sua sigla em inglês, DOMS (delayed onset muscle soreness), que é como ela é descrita na literatura científica.

O aparecimento da dor muscular tardia pode ser prevenido da seguinte forma:

  • Preparar os músculos. Com isso, estamos nos referindo a não aumentar a carga esportiva repentinamente. Devemos trabalhar com aumentos graduais e dar tempo para que os músculos se acostumem a um determinado exercício.
  • Fazer um bom aquecimento. Isso também faz parte da preparação dos músculos, mas, nesse caso, de uma forma mais direta. Através do aquecimento, deixamos os músculos prontos e capazes de suportar maiores cargas de trabalho.
  • Hidratar-se antes, durante e depois. É importante manter o corpo hidratado, tanto antes da prática esportiva quanto durante, e também após o seu término. Nesses três momentos, devemos dar aos músculos as substâncias necessárias para que funcionem adequadamente. Por exemplo, de acordo com um estudo publicado pelo Journal of Sports Sciences, a suplementação com proteína pode ajudar a superar a dor muscular tardia mais rapidamente.
consequências de fazer exercícios com dor muscular tardia

Efeitos negativos de fazer exercícios com dor muscular tardia

A dor muscular tardia é uma lesão muscular. Dessa forma, devemos garantir que estamos totalmente recuperados antes de retomar a prática esportiva. Estas são as principais consequências de ignorar este aviso:

Recuperação mais demorada

A maneira mais rápida de se recuperar da dor muscular tardia é descansar e se alimentar. Portanto, fazer exercícios com dor muscular tardia é contraproducente, pois isso não permite que o músculo se recupere.

Risco de lesões graves

Dentre as lesões musculares, a dor muscular tardia é a mais leve. No entanto, não devemos nos esquecer de que estamos falando de microrrupturas.

Ou seja, se fizermos exercícios com dor muscular tardia, correremos o risco de que essas microrrupturas se transformem em rupturas. De fato, se fizermos exercícios intensos, é até mesmo lógico que isso aconteça.

Imagine que você está segurando um cachecol. Se você puxar as duas pontas, mesmo com muita força, não vai acontecer nada. No entanto, se esse mesmo cachecol tiver vários fios arrebentados, quando você esticar com força, ele pode se romper. Algo semelhante aconteceria com os músculos.

Riscos para outras estruturas

O corpo precisa estar em boas condições para funcionar corretamente. Isso significa que ele precisa que todas as estruturas cumpram as suas funções, já que ele funciona como um todo, porém composto de muitas partes.

Assim, se um músculo estiver enfraquecido, talvez possamos mudar a maneira como fazemos certos exercícios para tentar não nos machucar.

Ao mudar a maneira como nos exercitamos, estaremos adicionando tensão a outras estruturas que terão que trabalhar mais para compensar a dor. Ou então os tecidos moles, tais como os ligamentos, sofrerão porque estaremos fazendo gestos aos quais não estamos acostumados.

Ou seja, temos o corpo preparado para trabalhar de uma maneira e, de repente, fazemos tudo de outra forma. Isso não apenas é prejudicial a curto prazo e pode causar outras lesões, como também teremos que nos readaptar posteriormente.

consequências de fazer exercícios com dor muscular tardia

Desempenho inferior

Finalmente, fica claro que não seremos capazes de nos exercitar em plena capacidade se tivermos uma lesão muscular. Isso ocorre porque o músculo em questão não será capaz de produzir a mesma força e as outras estruturas entrarão em fadiga mais rapidamente porque serão forçadas a exercer mais esforço do que o normal.

Nada de exercícios com dor muscular tardia?

Por tudo isso, pode parecer que devemos manter repouso absoluto enquanto estivermos sentindo a dor muscular tardia, mas não é bem assim. Para um atleta, passar dois ou três dias sem fazer nada pode ser muito prejudicial para a sua forma física.

Portanto, podemos sim nos exercitar, desde que não utilizemos a estrutura lesionada. Assim, se a dor muscular tardia for na perna, é possível trabalhar os braços e o tronco. Se a dor muscular tardia ocorrer nos braços, existe a opção de sair para correr.

Também é importante esclarecer que uma boa maneira de se recuperar da dor muscular tardia é fazer o mesmo exercício que a causou, porém com uma intensidade bem menor. Por exemplo, se a corrida tiver causado a dor muscular tardia, caminhar será benéfico.

Portanto, não faça repouso absoluto. No entanto, tente se recuperar bem antes de voltar à prática esportiva regular.

  • P. Miller, S. Bailey, M. Barnes et al. The effects of protease supplementation on skeletal muscle function and DOMS following downhill running, Journal of Sports Sciences, 22:4, 365-372, 2004.
  • L. Nicol, D. Rowlands, R. Fazakerly et al. Curcumin supplementation likely attenuates delayed onset muscle soreness (DOMS). Eur J Appl Physiol 115, 1769–1777, 2015.
  • F. Martínez. Las agujetas, ¿una entidad clínica con nombre inapropiado? Apunts: Medicina de l’esport. Vol. 26, Nº 100, págs. 125-134, 1989.