O que é a síndrome compartimental por exercício?

23 Julho, 2020
A síndrome compartimental por exercício é uma condição médica que afeta os músculos e os nervos de uma determinada região do corpo. Ainda não se sabe ao certo o que a causa. No entanto, suspeita-se de uma inflamação causada pela prática esportiva.

O principal sintoma da síndrome compartimental por exercício é a dor. Geralmente ocorre nos membros e é acompanhada por uma capacidade reduzida de usar a parte do corpo em questão.

A dor é localizada e afeta os sistemas muscular e nervoso. O músculo fica inflamado e dói, enquanto os nervos emitem ao cérebro sinais ambíguos de dor e falta de força.

Essa condição recebe o nome de síndrome compartimental por exercício porque a inflamação aumenta a pressão em um determinado compartimento do corpo. Como resultado, isso também aumenta a pressão em todas as estruturas que ele contém, como os nervos.

Fazer exercício pode inflamar os músculos, o que aumenta seu tamanho. Se esse aumento excede certos limites, eles começam a pressionar a camada que cobre as fibras musculares, chamada de fáscia. As fáscias não têm capacidade de expansão, daí a dor.

Não está totalmente claro como a inflamação muscular causada por exercício progride para a síndrome compartimental. Há potencialmente muitos fatores envolvidos, como má postura ou técnica, falta de um alongamento adequado ou fatores anatômicos pré-existentes.

Fatores de risco

Pode-se dizer que existem três fatores de risco para a síndrome compartimental por exercício:

  • Tipo de esporte: a síndrome compartimental é mais comum entre atletas que repetem com frequência um movimento de alto impacto, como os corredores.
  • Idade: embora você possa pensar o contrário, isso é mais comum entre os jovens. Os casos clínicos aparecem em várias idades, mas as pessoas com menos de 30 anos estão mais expostas.
  • Intensidade do exercício: quanto mais repetitivo é o exercício, maior o risco de inflamação muscular.
Sintomas da síndrome compartimental por exercício

Isso não significa que todos os jovens atletas que realizam atividades de alto impacto e treinamento intensivo sofrerão. Os fatores de risco apenas aumentam a possibilidade de sofrer da condição, mas não são de forma alguma determinantes.

Sintomas da síndrome compartimental por exercício

O principal sintoma da síndrome compartimental por exercício é dor. Geralmente, um dos membros dói por causa da pressão que se acumula no compartimento. As pernas são a parte do corpo mais afetada.

Essa dor aparece ao realizar exercício, normalmente algum tempo após iniciar. Se você continua se exercitando, a dor aumenta até gerar impotência funcional. Se você interrompe o exercício e descansa, em alguns minutos a dor diminui. Há casos mais complicados em que a dor continua mesmo após descansar.

Além da dor, pode haver uma sensação de formigamento na mesma área ou em uma região mais afastada, além de cãibras musculares. Pode acontecer de você sentir dor na perna e formigamento no pé, por exemplo.

Essa dor leva à redução da funcionalidade, incluindo falta de força e incapacidade de realizar determinados movimentos. Seguindo o exemplo da perna, pode acontecer de ser impossível levantar o pé.

A inflamação é difícil de perceberPode haver um aumento no tamanho do músculo que deforma o membro ou uma sensação de aperto que puxa a pele. No entanto, muitos desses sintomas são subjetivos.

Tratamento da síndrome compartimental

Seja se for causada por exercício ou por outro motivo, o tratamento é basicamente o mesmo. O médico indicará uma série de medidas que você deverá seguir para garantir uma recuperação rápida.

As primeiras medidas serão mais conservadoras e consistirão em repousar e parar o exercício por um determinado período.

Tratamento da síndrome compartimental

Além do repouso, o médico pode prescrever cremes anti-inflamatórios, o uso de frio na área e a elevação do membro para melhorar a circulação. Se a dor for muito intensa, você pode precisar de fisioterapia e anti-inflamatórios orais, como o ibuprofeno.

Quando o tratamento conservador falha, você pode precisar de cirurgia. Esse é o último recurso e é reservado para casos clínicos específicos em que a dor é extremamente intensa e há risco de dano permanente no músculo ou no nervo.

Essa cirurgia é chamada de fasciotomia e envolve fazer uma incisão na fáscia do músculo inflamado para liberar a pressão. Não é uma cirurgia complicada, mas deve ser realizada por especialistas em trauma.

Portanto, mesmo que você possa iniciar um tratamento básico para a síndrome compartimental por exercício, você deve consultar um médico o mais rápido possível. Ele saberá se você deve ou não tomar anti-inflamatórios e também monitorará seu progresso caso você precise de tratamento adicional.

  • Dalmau-Coll, A., et al. “Síndrome compartimental agudo en el pie.” Revista Española de Cirugía Ortopédica y Traumatología 55.3 (2011): 235-240.
  • Johansen K, Watson J. Compartment syndrome: new insights. Semin Vasc Surg 1998; 11: 294-301.
  • Velásquez Yucra, Claudia Vanessa. “Tratamiento fisioterapeútico en síndrome compartimental.” (2018).