O que é a síndrome da cabana?

Nos últimos meses, o termo "síndrome da cabana" ganhou força para se referir ao mal-estar e desconforto que algumas pessoas sentem quando precisam sair de casa. Vamos te contar do que se trata e como superar essa condição.
O que é a síndrome da cabana?

Última atualização: 29 Março, 2021

Nos últimos meses, a síndrome da cabana tem sido mencionada como uma nova patologia emocional derivada do isolamento social. Ocorre com as pessoas que têm medo de sair de casa e preferem permanecer confinadas mesmo que não há um perigo real do lado de fora.

Embora essa condição possa causar muito desconforto para a pessoa, na verdade, ela não é reconhecida como uma doença. De fato, essa síndrome é mais uma reação de estresse diante de uma situação de incerteza do que uma patologia psicológica.

Mesmo assim, é preciso agir para eliminar o desconforto, pois ele pode impedir a pessoa de levar a vida normalmente. Por exemplo, fazendo com que ela deixe de ter uma vida social, abandone a prática de esportiva e, nos casos mais extremos, deixe de ir ao trabalho.

O abandono da prática esportiva, em particular, é o que mais pode trazer consequências negativas. Nesse caso, a pessoa pode se descuidar da forma física, faltar aos treinos e, como consequência, ter uma pior saúde física.

Por tudo isso, é importante saber detectar os sintomas da síndrome da cabana e saber como agir nesses casos para que a pessoa possa retomar a sua vida normalmente.

Quais são os sintomas da síndrome da cabana

Os sintomas dessa condição são semelhantes aos de um transtorno de estresse ou de uma fobia específica. Cada pessoa experimenta os sintomas de uma maneira diferente, portanto não é necessário que todos estejam presentes para que se possa falar da síndrome da cabana. Os mais comuns incluem:

  • Irritabilidade e mau humor.
  • Humor deprimido e sentimentos de tristeza.
  • Dificuldade para dormir.
  • Pensamentos negativos quando há a necessidade de sair de casa.
  • Medo irracional e excessivo de estar longe de casa.
  • Evitar atividades que antes eram agradáveis, tais como treinar ao ar livre.
  • Sensações de falta de ar, taquicardia ou tensão muscular.

Como superar a síndrome da cabana

Uma vez que os sintomas forem reconhecidos, o próximo passo será atuar diretamente sobre o desconforto. É importante observar que as intervenções devem ser supervisionadas por um profissional, uma vez que as reações de estresse mal administradas podem levar a problemas de ansiedade.

a síndrome da cabana

1. Exposições controladas ao mundo exterior

A maneira mais eficaz de superar os medos é enfrentá-los e se expor à situação temida aos poucos. Ao contrário, a evitação e os comportamentos de fuga só ajudam a consolidar o desconforto.

As exposições ao mundo exterior devem ser feitas de forma progressiva e adaptada ao nível de desconforto da pessoa. É possível começar indo para a varanda ou portão, e ir aumentando até sair para a rua normalmente.

Essa técnica de controle da exposição é conhecida como dessensibilização sistemática e geralmente é a técnica escolhida para o tratamento de fobias específicas.

2. Manter contato com as pessoas ao redor

Ter o apoio de outras pessoas é muito útil para superar o desconforto. Amigos e familiares podem fornecer apoio emocional e recursos materiais que são muito benéficos para a saúde física e mental.

É normal que, ao sofrer da síndrome da cabana, a pessoa não se sinta motivada para cuidar das relações com as outras pessoas. No entanto, é nesses momentos que deve ser feito um esforço maior para entrar em contato com os outros.

Para manter contato, não é preciso organizar uma reunião. Basta reservar alguns minutos por dia para escrever e fortalecer o vínculo com as pessoas que são importantes.

3. Evitar a inatividade em casa

Os sintomas de ansiedade também podem ocorrer dentro de casa. Pensamentos negativos sobre a situação externa geralmente são a principal fonte de desconforto e mal-estar.

Uma opção ideal para evitar que isso aconteça é fazer exercícios físicos em casa. A atividade física ajuda a manter a mente distraída, além de também influenciar o humor de forma positiva.

De acordo com um estudo publicado na revista Medicina Clínicaa prática regular de exercícios físicos reduz os níveis de ansiedade e melhora a qualidade do sono. Portanto, este é um bom recurso para aliviar os sintomas dessa condição.

Aula de zumba

4. Expressar o mal-estar emocional

Às vezes, não é fácil expressar os sentimentos e sensações. No entanto, guardá-los dentro de si só serve para alimentar o desconforto da síndrome da cabana.

A expressão emocional é libertadora e terapêutica per se. Depois de expressar o que está dentro de si, a pessoa pode se sentir livre de amarras e com a mente limpa. Além disso, se a dor for compartilhada com outras pessoas, a pessoa perceberá que não está sozinha e que a sua reação não é incomum.

Todos os medos podem ser desaprendidos

As fobias são reações de ansiedade aprendidas que surgem diante de estímulos ou situações que são percebidas como perigosas para a pessoa. O lado positivo disso é que, assim como são reações aprendidas, também é possível desaprendê-las e se livrar delas.

Em muitos casos, é preciso contar com apoio profissional para superar a síndrome da cabana, e não há nada de errado nisso. Cuidar da saúde mental é cuidar de si mesmo e se preocupar com o próprio bem-estar.

Por fim, é necessário considerar que a saúde física e mental estão intimamente relacionadas. Qualquer esforço para cuidar do corpo – por meio de exercícios ou mudanças na dieta, por exemplo – terá um efeito positivo no humor.

Pode interessar a você...
A psicologia do emagrecimento: o fator psicológico é vital para perder peso
Fit PeopleLeia em Fit People
A psicologia do emagrecimento: o fator psicológico é vital para perder peso

Estar acima do peso pode causar problemas de saúde, afetar a autoestima e dificultar tarefas do dia a dia. Saiba mais sobre a psicologia do emagrecimento.



  • Bayego, E. S., Vila, G. S., y Martínez, I. S. (2012). Prescripción de ejercicio físico: indicaciones, posología y efectos adversos. Medicina clínica, 138(1), 18-24.
  • Monserrat, O. N. (2010). Desensibilización Sistemática y su aplicación para reducir la Ansiedad.